terça-feira, 16 de novembro de 2010

Fantasias sexuais

(História enviada por um leitor e blogueiro)
"Certa vez uma amiga, lendo os contos do meu blog, ficou curiosa e acabou 'libertando' suas fantasias e desejos, que estavam presos e escondidos. Aquela 'amiga' que, até então, eu tratava somente como amiga, acabei sem querer libertando uma fera, uma devoradora. Aquela mulher calma, tímida, até meiga, simplesmente tinha sumido, eu já não a reconhecia mais. Ela começou a me entrevistar e ao mesmo tempo se soltou... Quando vimos, estávamos nos provocando via sms na madrugada. Até chegar ao sexo por celular falando baixinho e escondido para ninguém ouvir. Foi uma loucura, porque, ao mesmo tempo em que eu estava gostando de conhecer o outro lado dela, ao mesmo ela já não era só mais uma 'menina', era uma safada...
Marcamos de sair, nos encontramos num sábado pela manhã e, já na hora em que a vi, senti que já estava com um olhar diferente. Almoçamos e conversamos coisas que jamais tínhamos conversado pessoalmente até então... Ao mesmo tempo em que eu a escutava, era metralhado por idéias pervertidas na cabeça!
Dia quente e nublado, fomos caminhar e ela dizia não conhecer esse meu lado, e eu pensando o mesmo dela. Fomos pela avenida, ali por trás onde eu sei que rolam encontros de casais dentro de carros. Levei-a nesses pontos 'turísticos'. Cada carro em baixo de uma árvore que balançava era mais um motivo para eu introduzi-la nesse mundo... O mundo da aventura.
Ela, deslumbrada, não acreditava no que estava vendo, porque, até então, só lia nos contos... Ao mesmo tempo em que se assustava, se excitava, eu via em seus olhos que queria aquilo. Coloquei-a por trás da árvore, a fiz espiar um casal e, enquanto ela espiava, eu comecei a lamber a sua nuca. Mordia, enfiava a língua no ouvidinho dela e dizia 'Safada, tá gostando, né? Confessa...' Entre outras coisas...
Provoquei, e por trás enfiei e mão dentro da calcinha dela, senti aquele grelinho durinho... encharcando meus dedos, afundei meus dedos cada vez mais, e a bucetinha dela encharcava a palma da minha mão. Ela suspirava, transpirava, se derretia entre meus dedos, perdia as forças... Tirei a mão de dentro da calcinha dela, puxei ela pelo cabelo, olhei em seus olhos e cheirei minha mão... Chupei meus dedos molhados com o melzinho da buceta dela... que bucetinha saborosa...
Nesse meio tempo, começou a trovejar, ventania, saímos dali. Voltamos em direção ao centro, mas já era tarde demais, desabou um toró daqueles, muita chuva. Nós encharcados, puxei ela toda molhada e dei um beijo na sua boca, um beijo demorado e profundo... Eu estava com fome dela...
Continuamos caminhando e chegamos ao banheiro de um local, feminino e masculino lado a lado. Ela entrou no feminino e eu no masculino, aí pensei... 'O que estou fazendo?' Saí dali e invadi o banheiro feminino. Ela, na pia de frente para o espelho, se secando, cheguei por trás, arriei as calças delas, coloquei a calcinha para o lado e meti fundo... meti sem dó... senti aquela buceta se abrindo lentamente e recebendo a cabeça do meu pau... e encharcando meu pau conforme ia entrando e deslizando... comecei um vai e vem dentro da bucetinha dela e meu pau foi ficando cada vez mais duro. Ela suspirava, gemia e se via no espelho sendo fodida... eu olhava para baixo e via meu pau indo e voltando naquela buceta...
Nesse momento eu a peguei, chutei a porta de um box e a levei para dentro... Abaixei a tampa do vaso, coloquei ela em cima e mandei ela chupar meu pau, e ela chupou com muita vontade... Ela pegava meu pau e dava na cara dela. Nesse momento, eu vi que tinha chegado alguém, mas o tesão era tão grande que perdemos a noção do perigo. Virei ela de quatro ajoelhada na tampa do vaso e meti fundo novamente, até que sem querer a porta se abriu e tinha um rapaz espiando. Continuei fodendo ela, ela tentou parar e eu disse não. Virei ela de frente, puxei os cabelos e fodi ela com força, e nesse momento o cara tirou o pau para fora e começou a se masturbar.
Ela delirou ao ver que eu fodia ela por trás e outro cara se masturbava querendo foder ela também, e ao mesmo tempo eu sabia que ele queria estar no meu lugar mas eu não deixava. Até que eu disse pro cara... 'Vai, ela quer ver tu gozar...' e perguntei para ela 'Você quer ver ele gozando, confessa, puta!' E ela disse 'Sim, quero muito...' Pois bem, o cara tava quase morrendo de tesão, até que senti que ela queria fazer ele gozar e deixei ela masturbar ele enquanto eu fodia ela, e ela fez ele gozar e eu gozei nela, fundo e forte...
Tirei a calcinha dela, joguei para o cara e disse 'Toma aí, rapaz... de presente para ti. Lembrança da minha amiga'. Ela me olhou achando loucura eu ter dado a calcinha dela de presente, mas ao mesmo tempo não falou nada porque eu sei que ela gostou da idéia.
Pois bem, essas foram as minhas boas vindas a ela ao mundo aventureiro, o mundo onde o nosso fake é o original e nosso original é o nosso fake... Somos o que vem de dentro para fora e não o que vem de fora pra dentro..."

3 comentários:

Afrodite disse...

Que delícia de relato!!!
Me senti na pele dessa amiga...ui!
Espero que apareça mais posts sensuais e excitantes assim!
Beijo!

OBS:Eu peguei teu link,ok?
Beijo!

Patricia Vasconcelos disse...

Parceria aceita da minha parte, esse banner esta no meu blog, só falta vc colocar o meu!!! Valew

claudia disse...

Eu nunca tive um amigo assim...peninha de mim mesma agora!!!!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails